Login

Estudo de camadas finas de plâncton utilizando métodos autônomos de detecção

Este tema abrange diferentes projetos apoiados pelo CNPq e pela FAPESP cujos principais objetivos são: 1) desenvolver ou adaptar instrumentação para detecção de camadas finas de plâncton no ambiente costeiro, e 2) estudar o comportamento de organismos planctônicos em camadas finas. Existem indicações na literatura de que estas feições são de extrema relevância para a produtividade biológica marinha, como sítios de intensa atividade microbiana, áreas de forrageio de larvas de peixes e de retenção de partículas em afundamento vertical, entre outros processos. Deste modo, a detecção das camadas finas e o estudo do comportamento de organismos-chave da teia alimentar nestes sítios fornecerá dados fundamentais para a compreensão do funcionamento do ecossistema marinho. Será utilizada uma plataforma submersível autônoma (AUV Pirajuba, desenvolvido pelo Laboratório de Veículos Não Tripulados da EPUSP) dotado de um conjunto de sensores ambientais para detectar e documentar a extensão geográfica e batimétrica e a persistência temporal das camadas finas na área costeira de Ubatuba, Estado de São Paulo. 

pira1
 pira2

Equipe do projeto em Ubatuba.  

 

Uma vez detectada e mapeada uma camada fina, será lançado um novo instrumento desenvolvido no LAPS/IOUSP e laboratórios parceiros, que terá um sistema de câmeras para filmar eventos comportamentais de organismos diminutos, além de sensores ambientais para documentar o ambiente circundante, e será operado, nas etapas finais do projeto, como um derivador lagrangiano. A plataforma observacional será mantida na posição vertical (programada a partir dos dados obtidos pelo AUV momentos antes) por intermédio de um conjunto de atuadores e sistemas para controle de pressão mimetizando uma bexiga natatória. A comunicação com o barco na superfície se dará por meio de modem acústico. Esta estratégia de amostragem permitirá o registro de comportamentos in situ de forma inédita. Entre os principais resultados esperados do projeto estão: 1) O desenvolvimento de novas tecnologias observacionais de plâncton e partículas em suspensão na coluna de água; 2) A documentação qualitativa e quantitativa de camadas finas no oceano costeiro subtropical do Brasil, formando um conjunto inédito de dados; 3) O entendimento do papel ecológico das camadas finas de plâncton, incluindo a investigação da hipótese de que estas camadas são vitais como áreas de forrageio de organismos pelágicos.

 

maia